Alagoas se consolida como receptor estratégico de novos negócios

No momento em que o país atinge uma taxa de desemprego que passa dos 12%, ter um cenário convidativo para geração de negócios tornou-se elemento indispensável nas estratégias de desenvolvimento econômico de uma região. Em Alagoas, o contexto de políticas arrojadas de incentivos fiscais e locacionais tem consolidado o Estado como potencial receptor para instalação e ampliação de empresas e indústrias dos mais variados setores produtivos.

Mais do que um diferencial competitivo no mercado, estas ações tem contribuído de forma direta para o aumento da oferta de postos de trabalho e a consequente melhoria na qualidade de vida dos alagoanos. Depois de sete meses fazendo parte do grupo de mais de 13 milhões de brasileiros, atualmente, desempregados no Brasil, Ailton Lopes encontrou na chegada de um novo empreendimento no Estado, a Tempermac, a oportunidade de retornar para sua cidade natal, Maceió, e mudar de vida.

“Sou casado, tenho dois filhos e ficar quase um ano nessa situação, sem chances de emprego, foi muito difícil para toda a família. A gente se aperta, dá um jeitinho, mas sempre é uma situação complicada. Tive experiências na área da indústria em outros estados, o que, em grande parte, me deu condições de conquistar a vaga de auxiliar de produção na empresa e me estabelecer de novo aqui em Alagoas”, comemora.

Cenário atrativo

Junto com a Tempermac, outros nove empreendimentos em funcionamento e mais quatro em processo de instalação compõem hoje o quadro de organizações que dão cara ao Núcleo Industrial Bernardo Oiticica (Nibo), na parte alta de Maceió. Apenas por lá  – um dos pontos táticos na promoção do desenvolvimento econômico no Estado – já foram ofertados mais de 1.700 postos de trabalho, entre empregos diretos e indiretos.

O número é ainda mais expressivo quando analisado o cenário macro do fomento de negócios em Alagoas. Desde 2015, com a nova sistemática do Programa de Desenvolvimento Integrado (Prodesin), cerca de 50 negócios se estabeleceram na região motivados pela política de incentivos estabelecida pelo Governo, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur).

Além de atribuir mais poder competitivo ao Estado, a modernização do Prodesin passou a oferecer redução de 92% no pagamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).  Esta mudança foi responsável por movimentar mais de R$ 2,5 bilhões na economia alagoana, além da geração de mais de 80 mil empregos a partir da incorporação ou expansão de novas empresas no Estado.

Seja por meio de ações tangíveis, como a atração de novos negócios, ou ainda pelo estabelecimento de relações comerciais com líderes de dentro e fora do País, a proposta tem sido continuar posicionando Alagoas como uma verdadeira “vitrine” de negócios. É o que ressalta o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rafael Brito.

“É muito bom quando o Governo faz o seu papel, promovendo investimento e ao mesmo tempo ajudando a iniciativa privada a construir e realizar sonhos por meio da abertura de novas empresas. Temos um contexto econômico marcado pela solidez fiscal e políticas de incentivos eficientes que, sem dúvidas, têm contribuído positivamente para o cenário de crescimento em Alagoas”, reafirma o secretário.

Ascom – 03/05/2019